STONEWALL INN: UMA REVOLTA, UMA DIVERSIDADE DE LUTAS

Os frequentadores do famoso bar Stonewall Inn, no bairro de East Village, em Nova Iorque> O bar era frequentado por grupos minoritários (Gays, lésbicas, bissexuais e trans) vistos, comumente, como a ‘escória’ da sociedade vigente. Representavam o ‘submundo’, tidos como perversos, decadentes, agressivos e, consequentemente, eram ‘coisificados’ por terem comportamentos destoantes ao que era considerado normal e padrão.


“Enquanto meu povo não tiver seus direitos em todo o país, não temos razão para celebrar” as palavras de Marsha P. Johnson revelam o mais puro objetivo da revolta de Stonewall Inn, nos EUA, palavras que despertaram a revolta de uma comunidade, um “basta” diante a repressão policial sobre o povo LGBTQIA+, um grito de resistência de todas as formas de amor e de existência.


Marsha não esperava, mas a revolta de Stonewall Inn, liderada por ela, juntamente com sua amiga Sylvia Rivera, tomaria proporções inimagináveis e seria um marco de sucessivas revoltas da comunidade LGBTQIA+.